Perguntas Frequentes

Implantologia - Reabilitação Total

Implantologia – Reabilitação Total

A área de implantologia tem evoluído bastante nestes últimos tempos, permitindo solucionar praticamente todos os casos em que existam espaços edêntulos. Existindo as condições de osso e tecido mole adequadas e uma posição correta dos implantes dentários, pode-se substituir as próteses removíveis por próteses sobre implantes.
Dependendo de cada situação clínica existem diversos meios para colocação de próteses provisórias durante o processo de osteointegração. Em momento algum ficará sem dentes. Cada vez mais existe uma aposta forte no que denomina a "carga imediata"; o paciente no dia da colocação dos implantes dentários coloca uma prótese provisória fixa.
Não. O número de implantes a colocar dependerá do diagnóstico do médico dentista. Em geral, o número de implantes varia entre 4 a 8 dispostos de acordo com o estudo que for efetuado.
As próteses removíveis inferiores são sempre de mais difícil adaptação. Se tiver osso suficiente pode, sem dúvida, colocar uma prótese sobre implantes apenas na mandíbula, mantendo a prótese removível superior. Na nossa clínica dentária fazemos esse trabalho com muita frequência.
A sua prótese sobre implantes deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Os implantes são colocados com anestesia local, sem necessidade de anestesia geral, sendo a cirurgia efetuada em ambiente estéril para prevenir as infeções. Regra geral, colocam-se os implantes sem incisão na gengiva e sem pontos.
Atualmente muito poucas razões impedem a colocação de implantes num paciente e como tal a reabilitação total através deste método. A pouca quantidade ou a má qualidade do osso é o maior problema que pode haver. No entanto, estes obstáculos conseguem ultrapassar-se com técnicas de aumento da quantidade de osso utilizando material sintético, bio-osso, técnica mais frequente de regeneração ou utilizando osso do próprio paciente (do queixo, da mandíbula ou da crista ilíaca). Se tem dúvidas apresente-nos o seu caso e faremos o respetivo estudo.
As estatísticas mostram que a colocação de implantes dentários tem um êxito de 98% no primeiro ano e de 90% nos primeiros 10 anos. Colocam-se, anualmente, centenas de milhares de implantes em todo o mundo e estão aprovados por todas as autoridades sanitárias incluindo a FDA americana (Food and Drug Administration).
Se houver uma higiene adequada e se consultar o seu dentista regularmente, não terá problemas com os implantes. Existem muitos fatores que podem reduzir a vida dos implantes, como sejam a falta de higiene, causas genéticas e o aparecimento de outras doenças.
Os tratamentos dentários e, concretamente, os implantes não fazem parte do Serviço Nacional de Saúde. Relativamente aos seguros de saúde, deve consultar a sua seguradora e informar-se relativamente ao grau de cobertura e à possibilidade de escolha dos médicos dentistas. Podemos ajudá-lo a encontrar uma solução para ultrapassar eventuais dificuldades orçamentais.
O tratamento é efetuado em consultório e, na grande maioria dos casos, com anestesia local. Durante a intervenção não sentirá qualquer dor e, nas horas seguintes, as dores são facilmente controladas através do analgésico e do antibiótico que o médico dentista lhe receita. As dores costumam passar completamente ao fim de um período de 2 a 5 dias dependendo do paciente e do grau de intervenção.
A aceitação dos implantes dentários pelo corpo humano é completamente diferente dos outros casos como, por exemplo, os implantes das válvulas cardíacas. Nestes casos há que considerar outros fatores como sejam a compatibilidade dos tecidos, interação com fatores sanguíneos, etc. que, nos implantes dentários, não têm uma importância tão relevante. A adaptação do corpo humano aos implantes dentários baseia-se num processo chamado osteointegração em que o osso e o implante formam um todo.
A sua prótese sobre implantes deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Implantologia - implantes unitários

Implantologia – Implantes Unitários

Um implante dentário é um cilindro de titânio com superfície roscada que se coloca dentro do osso dos maxilares e que vai funcionar como se fosse a raíz dos nossos dentes.
Os implantes são colocados com anestesia local, sem necessidade de anestesia geral, sendo a cirurgia efetuada em ambiente estéril para prevenir as infeções. Regra geral, colocam-se os implantes sem incisão na gengiva e sem pontos.
Atualmente muito poucas razões impedem a colocação de implantes num paciente. A pouca quantidade ou a má qualidade do osso é o maior problema que pode haver. No entanto, estes obstáculos conseguem ultrapassar-se com técnicas de aumento da quantidade de osso utilizando material sintético, bio-osso, técnica mais frequente de regeneração ou utilizando osso do próprio paciente (do queixo, da mandíbula ou da crista ilíaca).Se tem dúvidas apresente-nos o seu caso e faremos o respetivo estudo.
As estatísticas mostram que a colocação de implantes dentários tem um êxito de 98% no primeiro ano e de 90% nos primeiros 10 anos. Colocam-se, anualmente, centenas de milhares de implantes em todo o mundo e estão aprovados por todas as autoridades sanitárias incluindo a FDA americana (Food and Drug Administration).
Se houver uma higiene adequada e se consultar o seu dentista regularmente, não terá problemas com os implantes. Existem muitos fatores que podem reduzir a vida dos implantes, como sejam a falta de higiene, causas genéticas e o aparecimento de outras doenças.
Os tratamentos dentários e, concretamente, os implantes não fazem parte do Serviço Nacional de Saúde. Relativamente aos seguros de saúde, deve consultar a sua seguradora e informar-se relativamente ao grau de cobertura e à possibilidade de escolha dos médicos dentistas. Podemos ajudá-lo a encontrar uma solução para ultrapassar eventuais dificuldades orçamentais.
Os implantes só são colocados após avaliação da situação clínica do paciente com recurso a exames complementares de diagnóstico. Em alguns casos a colocação das coroas pode fazer-se no mesmo tempo cirúrgico dos implantes. Caso este protocolo não se aplique a si, é necessário que se faça a osteointegração do implante o que demorará cerca de 2 meses e, de seguida, começará a fase de moldes para a prótese fixa estética. Entretanto, pode usar uma prótese provisória enquanto se dá a cicatrização do osso e da gengiva. O tempo total, desde a colocação dos implantes até à conclusão da prótese fixa pode ir de 5 a 8 meses, dependedo dos casos.
O tratamento é efetuado em consultório e, na grande maioria dos casos, com anestesia local. Durante a intervenção não sentirá qualquer dor e, nas horas seguintes, as dores são facilmente controladas através do analgésico e do antibiótico que o médico dentista lhe receita. As dores costumam passar completamente ao fim de um período de 2 a 5 dias dependendo do paciente e do grau de intervenção.
A aceitação dos implantes dentários pelo corpo humano é completamente diferente dos outros casos como, por exemplo, os implantes das válvulas cardíacas. Nestes casos há que considerar outros fatores como sejam a compatibilidade dos tecidos, interação com fatores sanguíneos, etc. que, nos implantes dentários, não têm uma importância tão relevante. A adaptação do corpo humano aos implantes dentários baseia-se num processo chamado osteointegração em que o osso e o implante formam um todo.
A sua coroa sobre implante deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Implantologia - pontes sobre implantes

Implantologia – Pontes sobre Implantes

Quando existe a ausência de vários dentes é muito provável que o seu dentista recomende uma ponte dentária. Existem muitos tipos diferentes de pontes dentárias disponíveis. No entanto, uma ponte dentária totalmente em cerâmica sobre implantes dentários é uma das melhores soluções para uma estética atraente e funcionamento ótimo. Uma ponte dentária sobre implantes dentários pode impedir: - Que os dentes adjacentes mudem de posição para preencher o espaço; - O maxilar recue, fazendo com que o seu rosto pareça prematuramente mais envelhecido porque também faltam as raízes dos dentes que estão ausentes; - Um sorriso desagradável, se os dentes em falta se notarem ao sorrir.À semelhança de um dente natural, um implante dentário fornece o suporte para uma ponte dentária. Uma ponte dentária totalmente em cerâmica sobre implantes dentários tem um aspeto e funcionamento muito semelhante ao dos dentes naturais.
Existe sempre a necessidade de avaliação por parte de um médico dentista credenciado no sentido de analisar e efetuar um adequado plano de tratamento. É preciso verificar cada caso "per si". No entanto, uma ausência contínua de três dentes será o mínimo para a execução de uma ponte até ao limite da ausência total de dentes.
Os implantes são colocados com anestesia local, sem necessidade de anestesia geral, sendo a cirurgia efetuada em ambiente estéril para prevenir as infeções. Regra geral, colocam-se os implantes sem incisão na gengiva e sem pontos.
Atualmente muito poucas razões impedem a colocação de implantes num paciente. A pouca quantidade ou a má qualidade do osso é o maior problema que pode haver. No entanto, estes obstáculos conseguem ultrapassar-se com técnicas de aumento da quantidade de osso utilizando material sintético, bio-osso, técnica mais frequente de regeneração ou utilizando osso do próprio paciente (do queixo, da mandíbula ou da crista ilíaca). Se tem dúvidas apresente-nos o seu caso e faremos o respetivo estudo.
As estatísticas mostram que a colocação de implantes dentários tem um êxito de 98% no primeiro ano e de 90% nos primeiros 10 anos. Colocam-se, anualmnte, centenas de milhares de implantes em todo o mundo e estão aprovados por todas as autoridades sanitárias incluindo a FDA americana (Food and Drug Administration).
Se houver uma higiene adequada e se consultar o seu dentista regularmente, não terá problemas com os implantes. Existem muitos fatores que podem reduzir a vida dos implantes, como sejam a falta de higiene, causas genéticas e o aparecimento de outras doenças.
Os tratamentos dentários e, concretamente, os implantes não fazem parte do Serviço Nacional de Saúde. Relativamente aos seguros de saúde, deve consultar a sua seguradora e informar-se relativamente ao grau de cobertura e à possibilidade de escolha dos médicos dentistas. Podemos ajudá-lo a encontrar uma solução para ultrapassar eventuais dificuldades orçamentais.
Os implantes só são colocados após avaliação da situação clínica do paciente com recurso a exames complementares de diagnóstico. Em alguns casos a colocação das coroas pode fazer-se no mesmo tempo cirúrgico dos implantes. Caso este protocolo não se aplique a si, é necessário que se faça a osteointegração do implante o que demorará cerca de 2 meses e, de seguida, começará a fase de moldes para a prótese fixa estética. Entretanto, pode usar uma prótese provisória enquanto se dá a cicatrização do osso e da gengiva. O tempo total, desde a colocação dos implantes até à conclusão da prótese fixa pode ir de 5 a 8 meses, dependedo dos casos.
O tratamento é efetuado em consultório e, na grande maioria dos casos, com anestesia local. Durante a intervenção não sentirá qualquer dor e, nas horas seguintes, as dores são facilmente controladas através do analgésico e do antibiótico que o médico dentista lhe receita. As dores costumam passar completamente ao fim de um período de 2 a 5 dias dependendo do paciente e do grau de intervenção.
A aceitação dos implantes dentários pelo corpo humano é completamente diferente dos outros casos como, por exemplo, os implantes das válvulas cardíacas. Nestes casos há que considerar outros fatores como sejam a compatibilidade dos tecidos, interação com fatores sanguíneos, etc. que, nos implantes dentários, não têm uma importância tão relevante. A adaptação do corpo humano aos implantes dentários baseia-se num processo chamado osteointegração em que o osso e o implante formam um todo.
A sua coroa sobre implante deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Implantologia - sobredentaduras

Implantologia – Sobredentaduras

A área de implantologia tem evoluído bastante nestes últimos tempos, permitindo solucionar praticamente todos os casos em que existam espaços edêntulos. Existindo as condições de osso e tecido mole adequadas e uma posição correta dos implantes dentários, pode-se substituir as próteses removíveis por próteses sobre implantes.
Dependendo de cada situação clínica existem diversos meios para colocação de próteses provisórias durante o processo de osteointegração. Em momento algum ficará sem dentes. Cada vez mais existe uma aposta forte no que denomina a "carga imediata"; o paciente no dia da colocação dos implantes dentários coloca uma prótese provisória fixa.
Não. O número de implantes a colocar dependerá do diagnóstico do médico dentista. Em geral, o número de implantes varia entre 4 a 8 dispostos de acordo com o estudo que for efetuado.
As próteses removíveis inferiores são sempre de mais difícil adaptação. Se tiver osso suficiente pode, sem dúvida, colocar uma prótese sobre implantes apenas na mandíbula, mantendo a prótese removível superior. Na nossa clínica dentária fazemos esse trabalho com muita frequência.
A sua prótese sobre implantes deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Os implantes são colocados com anestesia local, sem necessidade de anestesia geral, sendo a cirurgia efetuada em ambiente estéril para prevenir as infeções. Regra geral, colocam-se os implantes sem incisão na gengiva e sem pontos.
Atualmente muito poucas razões impedem a colocação de implantes num paciente e como tal a reabilitação total através deste método. A pouca quantidade ou a má qualidade do osso é o maior problema que pode haver. No entanto, estes obstáculos conseguem ultrapassar-se com técnicas de aumento da quantidade de osso utilizando material sintético, bio-osso, técnica mais frequente de regeneração ou utilizando osso do próprio paciente (do queixo, da mandíbula ou da crista ilíaca). Se tem dúvidas apresente-nos o seu caso e faremos o respetivo estudo.
As estatísticas mostram que a colocação de implantes dentários tem um êxito de 98% no primeiro ano e de 90% nos primeiros 10 anos. Colocam-se, anualmente, centenas de milhares de implantes em todo o mundo e estão aprovados por todas as autoridades sanitárias incluindo a FDA americana (Food and Drug Administration).
Se houver uma higiene adequada e se consultar o seu dentista regularmente, não terá problemas com os implantes. Existem muitos fatores que podem reduzir a vida dos implantes, como sejam a falta de higiene, causas genéticas e o aparecimento de outras doenças.
Os tratamentos dentários e, concretamente, os implantes não fazem parte do Serviço Nacional de Saúde. Relativamente aos seguros de saúde, deve consultar a sua seguradora e informar-se relativamente ao grau de cobertura e à possibilidade de escolha dos médicos dentistas. Podemos ajudá-lo a encontrar uma solução para ultrapassar eventuais dificuldades orçamentais.
O tratamento é efetuado em consultório e, na grande maioria dos casos, com anestesia local. Durante a intervenção não sentirá qualquer dor e, nas horas seguintes, as dores são facilmente controladas através do analgésico e do antibiótico que o médico dentista lhe receita. As dores costumam passar completamente ao fim de um período de 2 a 5 dias dependendo do paciente e do grau de intervenção.
A aceitação dos implantes dentários pelo corpo humano é completamente diferente dos outros casos como, por exemplo, os implantes das válvulas cardíacas. Nestes casos há que considerar outros fatores como sejam a compatibilidade dos tecidos, interação com fatores sanguíneos, etc. que, nos implantes dentários, não têm uma importância tão relevante. A adaptação do corpo humano aos implantes dentários baseia-se num processo chamado osteointegração em que o osso e o implante formam um todo.
A sua prótese sobre implantes deve ser tratada da mesma forma que os seus dentes naturais, o que implica uma boa higiene oral e visitas regulares ao dentista. É muito importante que não fume ou deixe de fumar durante o processo de colocação dos implantes.
Ortodontia

Ortodontia

É a especialidade da Medicina Dentária que diagnostica, previne, e corrige, o mal posicionamento dos dentes e as mal oclusões dentárias através de aparelhos fixos ou removíveis.
Os dentes tortos ou dentes que não se encaixam corretamente são difíceis de serem mantidos limpos, podendo ser perdidos precocemente, devido a desgaste, a cárie e a doença periodontal. A má posição dentária também causa um stress adicional aos músculos de mastigação que pode levar a dores de cabeça, disfunção da ATM e dores na região do pescoço, dos ombros e das costas. O tratamento ortodôntico torna a boca mais saudável, proporciona uma aparência mais agradável e ajuda a que os dentes tenham possibilidade de durar a vida toda.
Um diagnóstico precoce é importante, pois quanto mais cedo se iniciar a correção dos possíveis problemas, mais fácil e abreviado se tornará o tratamento.
Há algum tempo atrás acreditava-se que a correcção ortodôntica era privilégio de crianças e adolescentes. Os pacientes adultos podem ser tratados, não apenas para resolver problemas estéticos, mas também, para minorar sofrimento causado por disfunções da articulação temporo-mandibular, ou para corrigir posicionamento dentário, facilitando a reabilitação com próteses dentárias.
Apenas o seu dentista ou ortodontista poderá determinar se você poderá beneficiar de um tratamento ortodôntico. Com base em alguns instrumentos de diagnóstico que incluem um exame clínico, moldes de gesso dos seus dentes, fotografias e radiografias especiais, o ortodontista ou dentista poderá decidir se a ortodontia é recomendável e desenvolver um plano de tratamento adequado para si.
O Apinhamento ocorre quando existem dentes demasiado grandes para se acomodarem nos maxilares; neste caso poderá ser necessário o tratamento ortodôntico.
Os Diastemas são falhas ou espaços entre os dentes como resultado de dentes ausentes ou dentes pequenos para o tamanho dos maxilares; neste caso poderá ser necessário o tratamento ortodôntico.
A Sobremordida é algumas vezes chamada de "dentes salientes". Também pode acontecer que dentes anteriores superiores recobram quase 100% dos dentes inferiores, conferindo um sorriso desagradável e problemas mastigatórios. Os dentes inferiores podem, inclusive, tocar no palato (céu da boca) e na gengiva do maxiliar superior, causando feridas. Neste caso poderá ser necessário o tratamento ortodôntico.
A mordida cruzada ocorre quando a arcada superior não fica ligeiramente à frente da arcada inferior ao morder normalmente. Neste caso poderá ser necessário o tratamento ortodôntico.
Dentisteria

Dentisteria

A cárie dentária é uma doença oral provocada pela ação de determinadas bactérias que podem originar a destruição parcial ou total do dente. A presença dessas bactérias na boca, associada a uma alimentação inadequada e a uma higiene oral deficiente, facilita o aparecimento de cáries. Para prevenir o aparecimento de cáries deverá efetuar uma higiene oral diária correta e visitar o seu médico dentista/ higienista oral regularmente.
Higiene Oral

Higiene Oral

A Higiene oral é uma prática muito antiga e faz parte da construção e do reforço positivo da auto-imagem. As principais doenças e alterações orais provocadas por uma deficiente higiene oral são: a Cárie Dentária, a Gengivite, a Periodontite e a Halitose.
A Placa Bacteriana, responsável pelo aparecimento de variadas doenças relacionadas com a saúde oral, é constituída por micróbios (bactérias) e componentes da saliva que aderem fortemente aos dentes, condição que lhe permite resistir às forças de auto-limpeza fisiológica, relacionadas com os movimentos da língua e das bochechas.
Halitose, ou mau hálito, deriva do latim “halitus”, que significa hálito e do sufixo grego “osis”, que significa condição. A halitose pode tornar-se um problema preocupante por dificultar as relações interpessoais ou diminuir a auto-estima.
O primeiro passo para eliminar ou minorar a Halitose, passa por ter uma boa higiene oral, limpar a língua com a escova ou limpadores próprios e antes de dormir bochechar com elixires sem álcool. Os portadores de prótese dentária, devem lavá-la sempre e após as refeições e mergulhá-la uma vez por semana em soluções desinfetantes. Deve-se beber muita água durante o dia, principalmente se sentir a boca seca e sobretudo nesse caso, devem-se estimular as glândulas salivares com pastilhas elásticas e rebuçados sem açúcar, isto porque a saliva tem uma função de limpeza e proteção da boca. É importante fazer uma alimentação rica em alimentos fibrosos, evitando os muito condimentados e com forte odor (cebola e alho) e estar muito tempo sem comer, pois a alimentação é a melhor forma de estimular as glândulas salivares. O tabaco e o álcool são agentes a evitar, pois além de secarem a boca, são grandes promotores de halitose. Se tem uma boa higiene oral e a halitose persiste, deve consultar o seu Médico Dentista e/ou Higienista Oral, pois só eles lhe poderão dizer se tem outros fatores causadores de halitose, tais como, Cárie Dentária, Gengivite, Periodontite, baixo fluxo salivar, excesso de placa bacteriana e tártaro.
Para prevenir as doenças orais deve: 1. Escovar os dentes depois das refeições principais e antes de dormir, com uma escova de dureza média ou macia e com um dentífrico com flúor, mantendo-o na boca pelo menos durante dois minutos; 2. Passar o fio dentário uma vez por dia; 3. Usar o flúor em elixires ou geles, pois tem um importante papel na prevenção da cárie dentária e da sensibilidade dentária; 4. Fazer uma alimentação saudável (evitando doces entre as refeições e consumindo alimentos com fibras); 5. Consultar o Médico Dentista e/ou Higienista Oral, duas vezes por ano.
Próteses Dentárias - prótese fixa

Próteses Dentárias – Prótese Fixa

Cerec significa "ceramic restoration" ou restauração cerâmica e é um sistema que permite efetuar o tratamento numa só sessão. Com o sistema Cerec, é possível numa única consulta obter a leitura óptica, produzir e cimentar uma restauração sem moldes de gesso e sem necessidade de recorrer a soluções provisórias. No período de uma consulta normal, o paciente obtém uma restauração tradicional em cerâmica com excelentes resultados estéticos e duradoura.
Próteses Dentárias - prótese removível

Próteses Dentárias – Prótese Removível

As próteses removíveis podem ser parciais ou totais. As parciais removíveis podem ser totalmente em acrílico ou têm uma parte metálica chamada esqueleto e destinam-se a substituir um ou mais dentes. Estas últimas são conhecidas como esqueléticas. As próteses esqueléticas ocupam um espaço menor da boca, devido à robustez da sua parte metálica. Usa ganchos nos dentes para se manter no lugar, dando mais estabilidade. As próteses parciais removíveis em acrílico são as mais baratas e deveriam ser apenas temporárias. No entanto são as mais usadas por razões socioeconómicas. Este tipo de prótese é mantida na boca pelas retenções presentes nos dentes que ainda restam. Apoia-se nos tecidos moles e no caso de algumas esqueléticas também nos dentes naturais ainda presentes.
Pode usar as próteses totais removíveis, mais conhecidas por “dentaduras”; são normalmente em acrílico e destinam-se à substituição de todos os dentes.
Mantêm-se na boca pela ação conjunta de pequenas retenções da anatomia do que resta, da língua, dos músculos faciais e, no caso da prótese superior, do efeito de vácuo entre a superfície interna da prótese e o palato (céu da boca).
Pode durar muitos anos, no entanto necessitam de uma visita anual ao dentista como os dentes naturais.
Periodontologia

Periodontologia

O uso do fio dentário não provoca o sangramento gengival, isto ocorre devido ao estado inflamatório em que se encontram os tecidos, resultado do acúmulo de bactérias e tártaro, deixando a gengiva avermelhada e inchada. Essa inflação é chamada de gengivite. Ausência de sangramento e uma coloração rosada são sinais de uma gengiva saudável. Quanto mais frequente for o uso do fio dental, menor será a possibilidade de ocorrer sangramento gengival.
O mais indicado é evitar a evolução deste processo através de uma higiene oral adequada (escovação e fio dentário), limpezas profissionais frequentes e remoção de excessos de restaurações, que também irritam a gengiva.
A retração é o deslocamento da gengiva que provoca a exposição da raiz do dente. Ela pode ser causada por diversos fatores, os mais comuns são: fricção exagerada com a escova, movimentação ortodôntica, inflamação da gengiva causada pela placa bacteriana, posição alta dos freios labiais, pouca espessura do osso que recobre a raiz dos dentes, entre outros.
Isto ocorre devido a exposição da raiz. A camada que reveste a superfície radicular, o cemento, "desaparece", deixando a dentina exposta. A dentina é formada por canalículos que apresentam terminações nervosas, aumentando assim a sensibilidade. Uma boa dica é o uso de bochechos com solução fluoretada.
Sim, através de técnicas cirúrgicas estéticas, como por exemplo o enxerto mucogengival, onde é removido uma parte do tecido do palato e recolocado na região da retração.
Endodontia

Endodontia

Não. Os dentes podem ter resposta dolorosa a qualquer estímulo fora do normal: frio e calor intensos, doce e salgado. Esses sintomas são observados em dentes cariados, em dentes com colo exposto (retração da gengiva) e em dentes submetidos a carga intensa (durante a mastigação). Nesses casos, removendo-se a causa, cessa a sensibilidade.
O tratamento tem 3 etapas: a) abertura do dente; b) preparação dos canais das raízes; c) preenchimento das raízes.
Com o dente devidamente anestesiado não é doloroso. Poderá sentir algum desconforto durante dois a quatro dias.
Cirurgia Oral

Cirurgia Oral

Designam-se por inclusos os dentes que não chegam a surgir. A falta de espaço na arcada dentária é o principal motivo para a não erupção de um dente. A constante pressão causada pela tentativa de erupção pode originar diversos problemas como a destruição dos dentes vizinhos, inflamação, dor e apinhamento. Por serem os últimos a nascer, os sisos são os dentes que mais frequentemente permanecem inclusos.
Estética dentária

Estética Dentária

Os tratamentos mais frequentes são os branqueamentos, soluções ortodonticas para melhorar a posição dos dentes, a colocação de capas de compósito e de porcelana para melhorar o formato e a cor dos dentes e correção das gengivas quer cobrindo raízes como reduzindo o seu volume.
Odontopediatria

Odontopediatria

Apesar de serem dentes temporários, a conservação dos dentes decíduos (vulgarmente designados de “dentes de leite”) é importante na mastigação dos alimentos nos primeiros anos de vida da criança e durante o desenvolvimento da fala, contribuindo para uma soletração correta das palavras.
Na consulta de Odontopediatria realizam-se tratamentos preventivos tais como: - Ensinos de higiene oral; - Aplicação tópica de fluoretos; - Aplicação de selantes de fissura; - Avaliação de risco de cárie; - Ortodontia interceptiva (fundamental para o desenvolvimento harmonioso oclusal e estético da criança). Mas também tratamentos curativos como: - Cárie dentária; - Gengivite; - Procedimentos clínicos em casos de traumatismos dentários.
São resinas que se aplicam na parte mastigatória dos dentes molares para os isolar das bactérias e restos de alimentos prevenindo assim a cárie dentária.
A primeira visita deve ser feita quando erupciona os primeiros dentes de leite ( mais ou menos aos 6 meses), por forma a orientar os pais nas técnicas de higiene oral e alimentares.
É muito importante manter os dentes de leite saudáveis pois deles depende: uma boa mastigação, fala, estética, respiração e manutenção dos espaços interdentários para a dentição definitiva. Além de que um dente de leite cariado pode afetar a dentição definitiva e a saúde em geral.
Nasce por volta dos 6, 8 meses e a dentição fica completa por volta dos 2 anos e meio.
Aparece por volta dos 6 anos e nasce por detrás dos últimos dentes molares de leite ou seja não é necessário cair nenhum dente de leite para ele erupcionar.
Odontogeriatria

Odontogeriatria

Todo o organismo sente mudanças ao longo do processo de envelhecimento. Na boca salientam-se as seguintes alterações: - As mucosas ficam mais sensíveis e finas; - A coloração dos dentes podem mudar; - Pode ocorrer a diminuição da quantidade de saliva, geralmente devido a efeitos colaterais de medicamentos provocando secura na boca (Xerostomia); - Diminuição na perceção dos sabores o que pode levar ao alto consumo de temperos na alimentação e agravar problemas como diabetes e tensão alta.
Existem quatro categorias de idosos: os independentes, os parcialmente dependentes, os totalmente dependentes e os paliativos (pacientes onde a medicina já esgotou os seus recursos). Problemas como a hipertensão arterial, diabetes e doenças cardíacas são comuns nessa fase da vida e podem resultar em complicações sérias se não forem levadas em conta. Por isso mesmo, médicos e médicos dentistas devem manter um diálogo frequente, pois, em caso de cirurgia oral, o médico dentista deve comunicar com o médico assistente e informar-se sobre o estado geral de saúde do idoso.
A importância dos dentes vai além da mastigação, pois interfere na fonética. Além disso, a sociedade moderna não aceita o desdentado ou pessoas com a estética facial alterada por dentes mal cuidados ou ausentes. A higienização diária e a visita regular ao médico dentista e/ou higienista oral (de 6/6 meses) são fatores decisivos na manutenção da saúde oral como um todo, evitando assim as doenças orais crónicas presentes no idoso: cáries de raiz, xerostomia (boca seca), atrição/abrasão (bruxismo), lesões da mucosa oral (candidíases, leucoplasias, etc.), cancro oral, doenças periodontais, entre outras. A dieta também é de extrema importância e deve ser à base de carnes, frutas, verduras, legumes, cereais e fibras. Deve-se evitar o consumo de doces e refrigerantes.
O periodonto, (estruturas de suporte dos dentes), pode, com a idade degradar-se, mas não há uma correlação clínica positiva a não ser sob condições patológicas adversas tais como a presença de placa bacteriana, tártaro e trauma oclusal, por exemplo.
A função imune, que pode variar muito entre as pessoas de 3ª idade, sofre com o tempo de vida uma perda funcional que compromete, por exemplo, a resistência às infeções.
Outro aspeto geralmente observado no idoso é a halitose, muitas vezes citada nas consultas de higiene oral e de limpeza de prótese. Uma solução consiste em efetuar bochechos com clorohexidina. Se não forem observadas melhoras, devem-se encaminhar os idosos para o médico assistente para apurar causas esofágicas ou gastrointestinais.
O fato de não ter os dentes tratados, ou a ausência de Prótese Total ou de uma Prótese Parcial Removível adequada, aguça um sentido de mutilação que é caraterístico da idade avançada. Seja na família, no trabalho ou nos ambientes sociais, o idoso não deve ter restrições de sorrir, falar ou selecionar alimentos adequados à sua condição funcional de mastigação. A moderna prática da Medicina Dentária comunga dos mesmos ideais da Medicina Geral ou seja tornar o idoso um ser feliz numa fase tão importante de sua vida, mantendo ou restabelecendo a vital integridade do sistema mastigatório e fonético.
Ortopantomografia

Ortopantomografia

A Ortopantomografia é a técnica de radiografia utilizada para obter numa única chapa a imagem das duas arcadas dentárias. Através desta técnica radiológica é obtidauma imagem geral panorâmica dos maxilares e dos dentes.